quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Repercussões na Imprensa sobre a caixa 'Gal Total'

19/09/10 - Gal Costa ressurge em caixa com 12 de seus CDs e em disco novo com Caetano
Fonte: O Globo - Por Leonardo Lichote
Material disponibilizado no Twitpic da Universal Music

Conforme prometido, digitei a segunda parte da matéria que saiu no 'Segundo Caderno' do Jornal O Globo. Segue na íntegra a reportagem:
  .
.
 Clique nas imagens para ampliá-las


19/09/10 - Gal Costa ressurge em caixa com 12 de seus CDs e em disco novo com Caetano
Fonte: O Globo - Por Leonardo Lichote

À beira dos 65 anos (que completa no próximo domingo), a Gal Costa de hoje carrega a imagem de uma grande dama do canto brasileiro - pelo domínio de sua voz límpida, pelo repertório coalhado de clássicos e pela pouca (ou irregular) ousadia que marca seus últimos trabalhos. Mas quando fita a jovem e explosiva tropicalista de "Gal Costa" (1969), a mulher bossanovística e moderna de "Cantar" (1974) ou a madura hitmaker de "Fantasia" (1981) - reunidos ao lado de outros 12 discos da artista na caixa "Gal total" (Universal), que traz também um CD duplo de raridades -, a senhora de 2010 se vê ali, naturalmente:

- Fui verdadeira em todas as fases, me reconheço em todos esses discos. Porque minha essência é o canto cristalino - diz a artista, por telefone, durante uns dias off em Nova York. - Teve o momento em que usei o grito, até como forma de protesto, mas a minha essência sempre se manteve. As fases diferentes são uma marca do meu temperamento. Gosto de arriscar, de inventar.

À primeira vista, os verbos "inventar" e "arriscar" no presente não soam adequados à voz da Gal dos últimos anos - apesar da investida na obra de novos compositores e arranjos com sabor contemporâneo de "Hoje" (2005) e do frescor de "Aquele frevo axé" (1998). Mas a cantora, que prepara um disco com produção de Caetano e Moreno Veloso, esquiva-se dessa percepção ao dar seu olhar maduro sobre os conceitos de risco e invenção.

"Tudo é perigoso. Tudo é divino, maravilhoso. Quando falo em se arriscar, falo de fazer o que se quer sem ter medo"

- Fazer disco novo é se arriscar, sair de casa é se arriscar - diz, quase citando involuntariamente o Los Hermanos de "Último romance" ("Sair de casa já é se aventurar", diz a canção) e antes de citar para valer a canção-ícone para o tropicalismo e sobretudo para sua carreira, por marcar a passagem do canto bossanovístico para uma agressividade experimental, "Divino, maravilhoso". - Tudo é perigoso. Tudo é divino, maravilhoso. Quando falo em se arriscar, falo de fazer o que se quer sem ter medo. Posso querer gravar um disco de bossa nova, e você dizer: "Ah, a Gal tá velha." Mas eu não vou ter medo dessa reação, vou fazer. Ou posso querer um disco de rock. Se é possível eu fazer algo assim hoje? Claro. Em se tratando de Gal Costa, tudo é possível.

Sob o olhar de Gal, portanto, as distâncias entre a cantora de hoje e a de ontem parecem pequenas - ou inexistentes. Se a intérprete do período dourado coberto pela caixa - dos discos entre 1967 e 1983, gravados pela antiga Philips (depois Polygram, hoje Universal) - é citada (e percebida) como a maior influência em nove entre dez cantoras brasileiras jovens e cool (de Céu a Roberta Sá), a artista de 2010 vê nisso um fruto de algo que passa além do apelo do experimentalismo ácido de "Fa-tal" (1971) ou da beleza tenra da voz de uma menina de 22 anos cantando músicas de um compositor de sua geração em "Domingo" (Gal e Caetano, de 1967).

- Sou moderna e vista assim por esses artistas por causa de João Gilberto, por ser herdeira dele. Meu canto é moderno porque a bossa nova também é. Sou e serei uma cantora contemporânea por toda a minha vida pela identificação que tive com o canto de João. A bossa nova também foi uma forma que encontrei de ser revolucionária - diz a cantora, que tem contato com seus jovens fãs via Twitter. - Essa garotada de 16, 18 anos conhece tudo da minha carreira, tem os vinis. Eles dizem que o canto brasileiro se divide entre antes e depois de Gal Costa. E sei que muitas das cantoras jovens do Brasil reconhecem minha influência. Me vejo no trabalho delas também, como reflexo.

A imodéstia presente em suas falas reúne uma consciência real de sua importância, doses de vaidade e um tanto de postura defensiva. Não é à toa. Desde a década de 80, Gal sofre acusações constantes da crítica - de ser "comercial", "conservadora" ou simplesmente "equivocada". Frequentemente, a excelência de discos que estão na caixa "Gal total" é lembrada como parâmetro de comparação.

- Muitas vezes a crítica não entende o trabalho. E, como o artista, ela passa por fases também. Tem hora que quer falar bem, depois quer falar mal. Por outro lado, todo artista tem safra e entressafra - pondera, antes de lembrar um exemplo da inconstância da crítica. - O show "Fantasia" (de 1981) foi criticado de uma forma muito violenta. Talvez por ser repleto de inéditas, por ter a presença de Lincoln Olivetti (responsável pelos arranjos), com quem a imprensa implicava... Mas levamos o show para o estúdio e fizemos um disco com o mesmo repertório, os mesmos arranjos. E ele foi escolhido um dos melhores do ano.

Seu cuidado ao falar com a imprensa também se deve a um episódio ocorrido em 2001, quando Gal foi bombardeada por ter dito - ela nega - que não existiam mais bons compositores na MPB, declaração similar a outras atribuídas à cantora em entrevistas dadas, por exemplo, em 1970 e 1979. Por isso, ela mede palavras ao comentar sua visão sobre a música hoje.

- Minha geração teve o privilégio de viver um sonho; hoje é tudo muito profissional. Não que ache melhor ou pior, só estou dizendo que foi esse o movimento do mundo. Em meu último disco, "Hoje", gravei gente maravilhosa dessa nova geração. Mas estou falando de algo que acontece mundialmente. Veja essas cantoras americanas, todas cantam muito bem, mas elas parecem feitas para o sucesso. Não que não haja quem sonhe, mas falo de algo generalizado, geracional. Não é mais assim - afirma Gal, que reconhece esse movimento, ou pistas dele, na própria discografia presente em sua caixa. - Isso pode ser percebido no meu trabalho e no de qualquer artista. Meus discos dos anos 80 são mais pop.

Na contramão do imediatismo que identifica no mundo contemporâneo - e talvez sob a percepção do tempo que a idade impõe ou que uma caixa como essa sugere -, Gal parece olhar a vida com a serenidade jovial de "Domingo".

- Não me sinto com a idade que tenho. A maternidade (Gal adotou Gabriel, hoje com 5 anos, em 2007) me rejuvenesceu. Nada é mais revolucionário do que ser mãe - afirma. - É isso que me move a cantar. Não é um assunto específico, não é política, não é comida. É a vida, a beleza de estar no mundo. Estou em Nova York, vou andando até Downtown, vendo as coisas, sinto que estou viva. Se estivesse enfurnada em casa, deprimida, talvez não quisesse cantar. Mas hoje sei que não há idade certa para nada. Se quiser aprender alemão aos 78 anos, farei isso. O tempo está dentro da sua cabeça.

"I'm alive vivo muito vivo", disse Caetano ao andar por Portobello Road, Londres, no início dos anos 70. É bom saber que Gal - a intérprete que, pelo que foi no passado coberto pela caixa, mas também pelo que é em 2010, precisa ser ouvida quando canta - se sente assim. E que retoma a parceria com Caetano, que esteve com ela em momentos como sua estreia, em "Domingo", e como produtor, em "Cantar".

- Está muito no começo, mas já estamos trabalhando - conta. - Será um CD de inéditas, nada de revisionismo.

Gal prepara disco, criam-se expectativas que retomam toda uma trajetória - da menina tropicalista à grande dama do canto brasileiro. E fazem pensar sobre como soarão hoje as sutis ou explosivas revoluções - da bossa nova, do experimentalismo, do grito, do sonho, do desejo pelo risco, da maternidade - que a cantora carrega em si.

19/09/10 - Revoluções de Gal
Fonte: Jornal 'O Globo' - Por Antônio Carlos Miguel

Quando ela foi a maior cantora do Brasil

Na hora daquelas intermináveis discussões sobre qual a maior cantora - Gal ou Elis ou Bethânia ou Lany ou Nana; ou então, entre os fãs de jazz e standard's, Billie ou Ella ou Sarah ou Doris Day ou Peggy Lee? -, há quem apele para a frase "a melhor é a que estou ouvindo no momento". Pois, no Brasil, por um "longo momento", entre a sua estreia em 1967, num disco dividido com Caetano, e a primeira metade dos anos 70, Gal Costa foi "a" cantora. Mesmo que, comparada às suas contemporâneas, não exibisse a técnica de Elis Regina, a dramaticidade de Maria Bethânia, os improvisos jazzísticos de Leny Andrade ou a carga interpretativa de Nana Caymmi, Gal se destacou pelo timbre cristalino, de mezzo-soprano (às vezes beirando o contralto), pela ousadia de seu repertório e também pela natural sensualidade, nada apelativa, que imprimiu às suas interpretações.

Como muitos em sua geração, ela se converteu ao canto suave de João Gilberto; depois, por um breve período, que coincidiu com os tenebrosos tempos do AI-5, incorporou a urgência e os gritos de Janis Joplin; para, a partir do início dos anos 70, destilar essas e tantas outras influências e chegar ao seu intransferível estilo, graças à sua única e arrebatadora voz.

Esta caixa, reunindo a fasa da Polygram (atual Universal), tem muitas e deliciosas provas disso, seus melhores álbuns - e alguns não tão bons, aquele do fim dos anos 70, início dos 80, com arranjos que, hoje, soam datados, atendendo a linha de produção de olho no sucesso fácil que passou a imperar na Indústria da Música.

Álbuns incluídos na Caixa "Gal Total" com comentários curtos 
Por Antônio Carlos Miguel

Domingo (1967): Em seu belo LP de estreia, a ainda neobossanovista Gal dividiu os créditos com Caetano Veloso, autor de nove das 12 faixas.

Gal Costa (1969): É o primeiro solo, e tropicalista, passando por Caetano, Tom Zé, Jorge Ben, Gil e Roberto & Erasmo. Um clássico.

Gal (1969): Do mesmo ano do anterior, mais elétrico e roqueiro, graças ao melhor guitarrista de então, Lenny Gordin, com Macalé no violão.

Legal (1970): Outro Clássico, arranjos de Lanny e Macalé (este coautor de três faixas, incluindo "Hotel das estrelas") e a genial capa de Oiticica.

Fa-Tal (1971): Porta para muitos na obra de Gal, ao vivo, arranjos de Lanny (Pepeu Gomes toca em algumas faixas) e concepção de Waly Salomão.

Índia (1973): Direção musical de Gil (no violão), é um LP de transição, com um timaço: Dominguinhos, Toninho Horta, Luiz Alves, Robertinho Silva...

Cantar (1974): Dirigido por Caetano e pelo guitarrista Perinho Albuquerque, é o melhor de Gal. João Donato brilha com arranjos, piano e composições.

Gal canta Caymmi (1976): Emocionado tributo ao "primeiro" e eterno baiano, com arranjos de Donato e Perinho Albuquerque.

Caras e Bocas (1977): Tem seus acertos (como "Tigresa"), mas falta foco, com Gal testando novos caminhos sem conseguir muitos avanços.

Água Viva (1978): Apesar do sucesso, graças a canções como "Folhetim" (Chico) e "Paula e Bebeto" (Milton e Caetano), hoje soa datado.

Gal Tropical (1979): Registro em estúdio do show homônimo, traz regravações ("Índia", "Meu nome é Gal", que pouco acrescentem)

Aquarela do Brasil (1980): Ótima ideia, um songbook de Ary Barroso, mas os arranjos criados e a produção usada mais atrapalham do que ajudam.

Fantasia (1981): As então inéditas de Djavan ("Faltando um pedaço", Açai"), Caetano ("Meu bem, meu mal", O amor...), garantem o disco.

Minha Voz (1982): Mais belas canções, como "Minha voz, minha vida", retrato de Gal pintado por Caetano e "Borzeguim" (Jobim).

Baby Gal (1983): Os teclados (de Cesar Camargo Mariano ao Roupa Nova) poluiram as canções. Mas, como sempre, a voz de, agora, madura Gal.

CD Duplo com raridades complementa a discografia da Caixa 'Gal Total'

Organizada pelo pesquisador Marcelo Fróes, que assina também os textos informativos de cada disco, a caixa "Gal Total" traz, além dos álbuns gravos pela cantora em 1967 e 1983, o CD duplo "Divina, Maravilhosa", com raridades. As 28 faixas, muitas delas nunca lançadas em CD, sairam de discos de festivais, trilhas sonoras, compactos, projetos coletivos e participações em álbuns de outros artistas.

O primeiro disco começa com duas gravações feitas para o álbum do Festival da Record de 1967, "Dada Maria" (com o autor, Renato Teixeira) e "Bom Dia". Outra competição, o I Festival Universitário da Música Popular Brasileira, rendeu "Domingo Antigo", 'Ora, acho que vou-me embora" é um dueto com Sidney Miller, originalmente de um disco do compositor. A trilha de "Brasil ano 2000", de Walter Lima Jr., rendeu três faixas: "Canção da moça", "Homem de Neanderthal" e "Show de me esqueci".

Quatro faixas saíram de um compacto: "Sua Estupidez", "Zoológico", "Vapor barato" e "Você não entende Nada" (as duas últimas em versões de estúdio, diferentes das gravadas em Fa-tal), "Carnaval chegou" e Barato Modesto" foram gravadas para projetos coletivos carnavalescos. "Três da madrugada" vinha num compacto encartado na primeira edição de "Os últimos dias de Paupéria", de Torquato Neto.

A primeira faixa do segundo disco é "Acontece", gravada para o álbum "Temporada de Verão", "De amor eu morrerei", 'Saia do meu caminho", "Sem grilos", "Acorda para Cuspir", "Teco teco", "Modinha de Gabriela" (trilha da novela "Gabriela") e Clariô, saíram de compactos, assim como a raríssima versão de estúdio que os Doces Bárbaros fizeram de "Esotérico" antes de gravar o álbum ao vivo.

Registros de Gal no palco cantando "Mamãe Coragem" (...) e o medley com "nega Manhosa" e "Samba rubro-negro" também integram o disco, que se encerra com duetos lançados de álbuns de Maria Bethânia ("Sonho meu"), Erasmo Carlos ("Detalhes") e Ney Matogrosso ("Espinha de bacalhau").

Entre (...) e peças que valem pela curiosidade. "Divina Maravilhosa" é um bom complemento à discografia presente em "Gal Total".

Nenhum comentário: