domingo, 9 de maio de 2010

1971 - Compacto: Gal

1971 - Compacto Duplo: Gal

 Capa

Gal
Philips - 6245.004
Psychedelic - 1971


Por Craifer - Blog: Mofho Discos

1970 começou para os tropicalistas de modo brando. Gal Costa passara o Ano Novo em Londres, junto a Caetano, Gil, Dedé e Sandra Gadelha, Jorge Mautner, Rogério Sganzerla, Helena Ignez e mais a turma da pesada.

Eles até participaram de uma jam session no palco do festival da Ilha de Wight, onde Gal assistira, acampada, uma apresentação de Jimi Hendrix.

O escritor Antônio Bivar, também integrado ao grupo, conta detalhes divertidos desse período, em seu livro Verdes Vales do Fim do Mundo.

Mais ou menos no início de 1971, Gal Costa lançava um compacto duplo com quatro canções: Sua Estupidez, Você Não Entende Nada, Zoilógico e Vapor Barato.

A primeira música alcançaria enorme execução radiofônica.
O grupo "A Bolha", neste compacto gravou as faixas "Zoílogico" e "Vapor Barato".


MÚSICAS:

Lado A

01 - Sua Estupidez
02 - Zoílogico

Lado B

03 - Vapor Barato
04 - Você Não Entende Nada

LETRAS:

01 - Sua Estupidez
Composição: Roberto Carlos / Erasmo Carlos


Meu bem, meu bem
Você tem que acreditar em mim
Ninguém pode destruir assim um grande amor
Näo dê ouvidos à maldade alheia e creia
Sua estupidez não lhe deixa ver que eu te amo

Meu bem, meu bem
Use a inteligência uma vez só
Quantos idiotas vivem só sem ter amor
E você vai ficar também sózinha
Eu sei porque
Sua estupidez não lhe deixa ver que eu te amo

Quantas vezes eu tentei falar
Que no mundo não há mais lugar
Prá quem toma decisões na vida sem pensar
Conte ao menos até três
Se precisar conte outra vez
Mas pense outra vez
Meu bem, meu bem, meu bem
Eu te amo

Meu bem, meu bem
Sua incompreensão já é demais
Nunca vi alguém tão incapaz de compreender
Que o meu amor é bem maior que tudo que existe
Mas sua estupidez não lhe deixa ver
Eu eu te amo

02 - Zoilógico
Composição: Gilberto Gil/ Capinam


Zoológico ilógico, logo sou
O menino que abriu a porta das feras
No dia em que todas as famílias visitavam o zoo
O zoo, o zoo, o zoo, o zoo, o zoo, o zoo
Zoo, zoo, zoo
Zoológico ilógico, logo sou
Zoológico ilógico, logo sou
O leão que está solto nas ruas
E as garras soltas no ar
Logo sou o menino que abriu a porta do zoo
A porta do zoo, a porta do zoo, a porta do zoo
Zoo, zoo, zoo
Zoológico ilógico, logo sou
Zoológico ilógico, logo sou o céu
Logo sou o Sol
Logo sou a girafa comendo o jardim sobre o muro
Logo sou apenas a garrafa de um casco verde escuro
Logo sou, sou a serpente
Logo sou carneiro manso
Logo sou Santa Tereza
Logo sou Santo Antônio resplandecente
Logo sou santo e demônio
Logo sou a fera, o zero, a cidade
Logo sou a ferocidade
Logo sou quem fere a cidade
Logo sou a felicidade
Logo sou o leão que está solto nas ruas
E as garras soltas no ar
Logo sou o menino que abriu a porta do zoo
A porta do zoo, a porta do zoo, a porta do zoo
Zoo, zoo, zoo...
Zoológico ilógico, logo sou
Zoológico ilógico, logo sou (logo sou eu)
Logo ninguém morreu (logo sou eu)
Aquilo que eu não sou (logo sou eu)
Alguém a quem do bem (logo sou eu)
Tudo aquilo que eu não sou (logo sou eu)
Seja lá o que for (logo sou eu)
Estou no zoo (logo sou eu)
Estou no zoo (logo sou eu)
Que estou no zoo
Zoo, zoo, zoo
Zoológico ilógico, logo sou
Zoológico ilógico, logo sou
Estou no zoo, estou no zoo

03 - Vapor Barato
Composição: Jards Macalé e Wally Salomão


Oh, sim, eu estou tão cansado
Mas não pra dizer
Que eu não acredito mais em você
Com minhas calças vermelhas
Meu casaco de general
Cheio de anéis
Vou descendo por todas as ruas
E vou tomar aquele velho navio
Eu não preciso de muito dinheiro
Graças a Deus
E não me importa, honey

Minha honey baby
Baby, honey baby
Oh, minha honey baby
Baby, honey baby

Oh, sim, eu estou tão cansado
Mas não pra dizer
Que eu tô indo embora
Talvez eu volte
Um dia eu volto
Mas eu quero esquecê-la, eu preciso
Oh, minha grande
Ah, minha pequena
Oh, minha grande obsessão

Oh, minha honey baby
Baby, honey baby
Oh, minha honey baby
Honey baby, honey baby, ah

04 - Você não Entende Nada
Composição: Caetano Veloso


Quando eu chego em casa nada me consola
Você está sempre aflita
Lágrimas nos olhos, de cortar cebola
Você é tão bonita
Você traz a coca-cola eu tomo
Você bota a mesa, eu como, eu como
Eu como, eu como, eu como
Você não está entendendo
Quase nada do que eu digo
Eu quero ir-me embora
Eu quero é dar o fora
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo
Eu me sento, eu fumo, eu como, eu não aguento
Você está tão curtida
Eu quero tocar fogo neste apartamento
Você não acredita
Traz meu café com suita eu tomo
Bota a sobremesa eu como, eu como
Eu como, eu como, eu como
Você tem que saber que eu quero correr mundo
Correr perigo
Eu quero é ir-me embora
Eu quero dar o fora
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo

Nenhum comentário: