segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

2006 - Hoje

Minimalismo e sofisticação

Adoro a proposta neutra, crua, limpa. É claro que é um concepção bem pensada e articulada pra deixar apenas a música imperar no palco. E óbvio, foge a concepção do que se espera de um show de Dvd. O figurino é lindo, tanto de Gal, quanto dos músicos. É lindo o modelo (parece que eles tão fardados, sóbrios, sem nenhum adorno, mas talmente elegantes e refinados) o corte, o pano, a cor (foge da comum neutralidade conseguida, na maioria das vezes, com o preto - que não tem nada a ver com tristeza, como já cansei de ler por aqui). E o bacana é que o figurino quase se funde com o único pano (também neutro que compõe a idéia de cenário, que não existe). Na verdade, os instrumentos, os músicos e a própria cantora são o cenário. A iluminação é limpa, quase chapada, sem efeitos, poucas cores. Gal também está serena no palco, limpa, sem recorrer às expressões, trejeitos e movimentações para tirar imagens que auxilie no entendimento das músicas ou prender a cena. Há um esforço para se utilizar apenas o necessário: a música. Todas as imagens, nuances tem que ser captadas pelos instrumentos e vozes apenas. Isso é um exercício dificílimo e não é pra qualquer um. Imagine uma novela, sem cenários, sem a adereços, figurinos neutros e únicos, maquiagens; tendo os atores, sem nenhuma muleta, que representar personagens de perfis variados... Mais da metade do elenco da maior emissora do país, caíria por terra... É essa a propoposta do show Hoje, limpeza total, apenas o essencial, minimalismo puro. Moderno pra caralho! Inocente dizer que é um show feito as pressas, justamente que a intenção dele é fugir do convencional, do esperado.
Bem simples: uma boa pizza não precisa de maionese, catchup, mostarda e não sei mais o quê. Um show feito às pressas, seria um vestido fulgurante e um telão ao fundo.
Já o Hoje é simplicidade aliada á sofisticação.

Comentário feito por Ricardo Gonzaga na comunidade Gal Costa do Orkut

Um comentário:

sandro disse...

Me desculpe, mas é o show mais chato feito por Gal em toda sua carreira